20.1.12

Sem título

Ela saía arrastada da festa por dois homens. Já não aguentava os próprios pés.
Sabia que não estavam lhe prestando apenas socorro.
Um quarto qualquer, sexo casual quase à força.
Meio resignada ela aceita tudo, pensando em como no fim nada muda, apenas se apresenta de formas diferentes.
Anos atrás sua tarefa diária era dar comida aos porcos.
Agora sua obrigação social era deitar-se com eles.

2 comentários:

Alê disse...

Nossa!

Poucas palavras, mas pra pensar,


Que louco!

Aninha Kita disse...

Pesado! Mas, pontualíssimo! Sem nada a colocar ou tirar: fatal! Parabéns, cada vez se supera mais nas "facadas"... hehe Admiro!

Beijos, beijos!
Ana*