3.8.11

Uma jornada


Imagine que você é um objeto.
Um objeto que tem o dom de pensar.
E você pertence a alguém.
Alguém que gosta muito de você.
De repente você se perde, você passa pelas mãos de várias pessoas, umas boas, outras nem tanto, mas todas com alguma história.
Você se afeiçoa por todas, e com todas deseja estar.
Mas sabe que seu lugar é com a primeira.
E mesmo não tendo como se mover, mantém a esperança em encontrá-la.
Assim é "A extraordinária jornada de Edward Tulane", saga de um coelho de porcelana que se perde de sua dona. Apesar de alguns clichezinhos, é literatura infanto-juvenil das boas, que encanta.

2 comentários:

Alê disse...

Nessa sociedade alienada e manipuladora: somos objetos, infelizmente,


Bjkas

Aninha Kita disse...

Que lindo jeito de contar sobre um livro! *-*

Beijos, beijos!
Ana*