23.6.11

Cedendo espaço

(Abro um espaço aqui no blog para outras pessoas também expressarem a sua escrita. São pessoas que não têm blog, e dessa forma considerei a melhor maneira de divulgar sua literariedade atarvés desse pequeno espaço. Dessa primeira vez cedo espaço à Luana Mayer, que faz Letras na Univille. Ela me mostrou esse texto e na hora me encantei com ele. E agora, torno público a vocês.)

Eu te amo! Eu te amo! Ela repetia aquela frase maldita sem parar. Como diabos ela não percebia a minha indiferença? Eu tinha nojo de olhar para aquela criatura. O cheiro da pele dela me dava asco. A cor dos olhos me irritava. Eu já havia dito para ela se mandar. Deixei claro que não a queria mais. A impressão que tenho é que não falamos a mesma língua, porque essa garota não me entende!
Meu email cheio de mensagens românticas. Ela pensa que eu não sei que nas festas que frequenta ela provoca os outros caras a troco de nada. Só pelo fato de se sentir desejada. Fico imaginando as mãos por baixo de suas roupas e as línguas por seu corpo inteiro. Eu não fui homem o bastante para lhe satisfazer, pelo jeito. Tanto faz. Isso que, segundo ela, existia amor na relação.
A única serventia dessa menina agora é o prazer que me dá. Depois de nos amarmos de forma doentia, como dois animais, acendo meu cigarro, me visto e vou embora. Preocupo-me apenas com minhas vontades. Pouco importa se a machuco. Pouco importa se ela se sente um lixo depois até porque é isso que ela é.
Fazê-la sentir-se suja. Mal amada. Usada. Despejar toda minha indiferença, essa é minha vingança. Meu conforto.

4 comentários:

Alê disse...

Que triste!

Lídia Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lídia Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Amanda Lemos disse...

Gostei bastante do Blog.
Muito interessante !

É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
http://bolgdoano.blogspot.com/

Muito Obrigada, desde já !