2.4.11

Navio quebrado que chamamos "vida"

Alguém lhe disse que a vida era um navio prestes a afundar, e que não faria sentido se importar com o início da rota e nada fazer durante o percurso para não chegar no fim. Para ele aquilo não fazia sentido. Até porque sua vida nunca teve timão ou mapa de apoio. Tudo era realizado sem previsão. Encontrar aquela mulher então, estava fora do seu objetivo principal. Óbvio, já que nunca pensava no durante, apenas no início e no fim. Foi por isso mesmo que recusou-a, pois ela não fazia parte dos seus planos. Dizem por aí que ele conseguiu chegar no destino almejado, mas se sentiu vazio. Hoje, vaga sem rota tentando encontrar aquela onde deixou sua amada.

5 comentários:

José Sousa disse...

Meu amigo!
A vida tem destas coisa! Tarde ou cedo,volta-se a procurar a sa amada!

Um abraço.

José Sousa disse...

Meu amigo!
A vida tem destas coisa! Tarde ou cedo,volta-se a procurar a sa amada!

Um abraço.

Alicia disse...

e esta é a rota.

Lilian disse...

O melhor de tudo isso é a viagem e não a chegada.
=*

Roberta Mendes disse...

Água tão profunda para tão pouco calado. Para o navio, a rota do encontro. Para o tripulante, de colisão. Ao desviar-se, no entanto: destino roto.