26.2.11

Carga

Escrever é fardo se escrevo é porque não tenho tendência nem dinheiro para me entupir de remédios que me tirem desse estado letárgico chamado vida que te obriga a ver o que não quer na mesma medida em que presencia momentos bons o problema é que não estamos preparados pras partes difíceis por mais que digamos ser pedra nós somos animais que choram independente de alma ou céu nós sofremos aqui por isso encontro refúgio na arte que não se define por alienação antes disso é outro estado de vida que não deixa de ser caos pois no fim gostamos dele e precisamos alimentar esse sistema falido brincando de roleta-russa apenas esperando a nossa vez de puxar o gatilho com a bala mirando nossa face e dizem por aí que livros são perigosos eu digo que sim a escrita também pois te tiram o chão e a não ser que você esteja disposto a encarar o mundo de outra maneira não leia senão você acabará tendo duas opções fundamentais assimilar o mundo recém-descoberto e apenas conviver ou não se conformar mais a não-conformação se apoderou de mim seria melhor que eu fosse um livro uma página nem que fosse apenas uma mísera palavra-chave de toda a obra mas sou homem e apenas responsável pela gestação de toda escrita um fardo imenso mas depois de certo tempo você deixa de se importar e cá estou um andarilho das letras renegado escrevendo o que julgo certo nem que certo seja errado aos olhos do mundo minha missão é atirar palavras ao vento na esperança de que caiam na cara de alguém sou um condenado mas não quero pena branda.

5 comentários:

Í.ta** disse...

ficou ótemo este conto-manifesto, rs. gostei do ritmo, da estrutura. do bater de frente com a escrita.

abraços.

Ana SS disse...

Ainda bem.
Boa escolha a que fizeste, esta de escrever.

Sandra Botelho disse...

melhor derramar nossas dores no papel...Melhor...
Bjos achocolatados

Charlotte disse...

Oláa
obrigada , seus textos também são mto bem escritos :D

beijoo

Marcio Nicolau disse...

e a tua pena é pesada, as tintas são fortes.

Você é um pintor.