14.2.10

Companheiro de viagem

Sputnik é o primeiro pleito de satélites da velha Rússia, uma palavra que meu pai solta sem sentido e também nome de um livro curioso.
Um início quieto, um meio empolgante e um fim? Não, virar a página e descobrir duas folhas em branco é quase um apelo para escrever.
Um japão cheio de desejos sexuais que não se concretizam e a melhor parte é a menos significante.
Ficar presa e perder a cor dos cabelos. Pude sentir a falta de ar.


Indico que seus melhores amigos comprem.
Ao terminar seja Sumire.

Um comentário:

Í.ta** disse...

eu gostei desse livro. ate´escrevi sobre ele também. mas ainda tô pra ler outros dois romances japoneses, pra daí fazer uma salada só.
sabe aquela coisa do gostei mas poderia ter sido melhor? fiquei com essa sensação ao terminar de ler este livro.

abraço.